ABECEDÁRIO

português | english

Arco logo

História e Teoria de Arte

Os estudos teóricos surgem logo em 1973: Salette Tavares orienta “Estética”, José Luís Porfírio “História Crítica de Arte” e há ainda Cursos Livres na mesma área (de Lima de Freitas e de Harry Holtzman). Em 1974/75 Pedro Vieira de Almeida e Manuel Rio de Carvalho orientam, respectivamente, as cadeiras “Enquadramento Teórico e Crítico” e “História Crítica de Arte”. Fruto da ideologia "hands on" da escola, porém, os estudos teóricos não acompanham as áreas práticas na sua conversão em departamentos. Aproximações históricas e teóricas às artes mantêm-se enquanto conferências ou Cursos Livres ocasionais, mas só no folheto informativo de 1986/87 a História e Teoria de Arte, encabeçada por Rui Sanches (igualmente responsável pela Biblioteca/Centro de Documentação), surge pela primeira vez e em pé de igualdade com as outras áreas de formação. António Rodrigues, João Pinharanda, Manuel Castro Caldas e o próprio Rui Sanches são os professores de serviço (aos quais se juntam Ruth Rosengarten em 1988 e, posteriormente, Maria Helena de Freitas, Paulo Baptista e Maria da Graça Briz). Estruturada em vários níveis, a História e Teoria de Arte torna-se um complemento da formação ministrada pelos sectores práticos, mas não integra ainda forçosamente os curricula departamentais. Criam-se cursos gerais de Introdução à História da Arte e cursos com enfoques mais teóricos ou lidando com aspectos temáticos, estilísticos ou cronológicos mais restritos. Manuel Castro Caldas dirige o departamento a partir de 1988/89 e surgem nos anos seguintes novas colaborações: José António Leitão, Delfim Sardo, Manuel Rodrigues, Fernando Paulo Dias e Manuela Correia Braga. As unidades de formação regulares, com conteúdos estáveis, decorrem a par de outros cursos, workshops e conferências de convidados pontuais versando, de forma mais breve ou mais alongada, sobre tópicos temáticos, teóricos ou estilísticos especializados. Em 1994, a responsabilidade do departamento passa para as mãos de António Campos Rosado. Um horário nocturno é criado a partir de 1996. David Santos, Nuno Crespo, Joana Neves, João Queiroz, Sérgio Mah e Nuno Faria juntam-se ao corpo pedagógico. Uma vez interiorizada a necessidade de complementar a prática com formação histórica e teórica, os departamentos irão também, progressivamente, iniciar uma programação histórica/teórica especificamente orientada para as suas áreas.


  • Large curso harry holtzman 197

    Ar.Co. História e Teoria de Arte. Curso de Harry Holtzman. 1973.

  • Large curso harry holtzman 1973

    Ar.Co. História e Teoria de Arte. Curso de Harry Holtzman. 1973.

  • Large salette tavares

    Ar.Co. História e Teoria de Arte. Salette Tavares, 1970s.

  • Large correia braga 1996

    Ar.Co. História e Teoria de Arte. Maria Manuela Correia Braga, 1996.

  • Large  delfim sardo 1995

    Ar.Co. História e Teoria de Arte. Delfim Sardo 1994/95.

  • Large  1996

    Ar.Co. História e Teoria de Arte. Jorge Lima Barreto, 1996/97.

  • Large imagem e semelhanca 1994

    Ar.Co. História e Teoria de Arte. Manuel Rodrigues, 1994.

  • Large manuel castro caldas marcel duchamp o grande vidro

    Ar.Co. História e Teoria de Arte. Manuel Castro Caldas, 1998.

  • Large tein 1998

    Ar.Co. História e Teoria de Arte. Michael Biberstein, 1998.

  • Large curso wit nuno crespo 98 99

    Ar.Co. História e Teoria de Arte. Nuno Crespo 1998/99.

  • Large a hist da mitologia pedro proena 98 99

    Ar.Co. História e Teoria de Arte. Pedro Proença, 1998/99.

  • Large curso historias da esculturarui sanches 98 99 02

    Ar.Co. História e Teoria de Arte. Rui Sanches, 1999.